PARA MINISTRO DO STF, LEI QUE REDUZ MENSALIDADES É INVÁLIDA

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, pediu vista e interrompeu julgamento sobre lei, do Maranhão, que reduz as mensalidades na rede privada de ensino durante a pandemia do novo coronavírus.

Até o momento, há o voto do relator, ministro Alexandre de Moraes, que entende que a lei é inconstitucional por invadir competência privativa da União. O caso estava em julgamento no plenário virtual.

A Confederação Nacional dos Estabelecimentos de Ensino (Confenen) ajuizou ação contra a lei estadual 11.259/20 alegando que a União tem competência privativa para legislar sobre matéria de direito civil, especificamente direito contratual.

Para a entidade, há ainda violação à livre iniciativa, diante dos impactos negativos da regulação de preços no setor privado, como o potencial aumento de desemprego dos profissionais de educação.

O ministro Alexandre de Moraes entendeu que a lei é inconstitucional por ter invadido competência privativa da União: “Ao estabelecer desconto obrigatório nas mensalidades da rede privada de ensino durante o Plano de Contingência do Novo Coronavírus da Secretaria de Estado de Saúde, a legislação impugnada tratou de tema afeto ao Direito Civil e Contratual, usurpando, assim, da competência legislativa atribuída à União pelo art. 22, I, da Constituição Federal de 1988.”

De acordo com o relator, embora se reconheça a boa intenção do legislador estadual em possibilitar uma diminuição dos reflexos sociais e econômicos decorrentes da pandemia, “não se mostra constitucionalmente viável o enquadramento do conteúdo versado na norma impugnada na competência delimitada pela CF”.

Fonte: Uol Educação